Médicas dermatologistas falam sobre a iniciativa em meio à luta por políticas públicas pelas Doenças Crônicas de Pele

 

A psoríase é doença imune da pele, de influência genética e desencadeada por fatores como estresse, tabagismo, infecções e alguns medicamentos. De acordo com dados do Ministério da Saúde, a doença atinge cerca de 1,3% da população brasileira, 5 milhões de pessoas afetadas, e esse índice varia entre 1,9% no Sul e Sudeste e 0,9% a 1,1% nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte.

Pensando nesta situação, recentemente, foi instalada a nova Frente Parlamentar (FP) de Porto Alegre pela Psoríase e outras Doenças Crônicas de Pele, uma iniciativa do vereador de Porto Alegre e presidente da FP, José Freitas, para lutar por políticas públicas a estas doenças e conscientizar a população. O principal objetivo da FP é auxiliar o acesso ao diagnóstico e tratamento, além de buscar capacitação, em âmbito nacional, dos médicos generalistas do SUS para conhecerem melhor a doença psoriásica. Presente no lançamento da FP, a médica dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), Clarissa Prati, se disponibilizou para participar do projeto e comentou sobre a satisfação que uma ação como esta significa para a classe.

“É uma felicidade este momento, saber que estamos cada vez mais próximos de uma situação mais confortável para lidar com o sofrimento desses pacientes e suas famílias. Lidamos durante muito tempo por saber das necessidades e dificuldades que os pacientes enfrentam para acessar medicamentos”, afirma.

A psoríase possui quadros que podem variar em gravidade ao longo da vida, sobretudo quando questões emocionais estão envolvidas. Conforme dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia, cerca de um terço dos adultos com a psoríase relatam ter percebido o início do quadro antes dos 16 anos. A médica dermatologista do município de Carazinho, também, participante da SBD/RS, Rosemarie Mazzuco, lembra as dificuldades que também ocorrem no interior do Estado.

“Realmente a psoríase é uma doença bastante comum e nós conhecemos o nível de sofrimento dos pacientes. É uma doença de altíssima morbidade no interior, e essa iniciativa facilita não só a vida dos pacientes, mas a nossa também, pois sofremos com eles”, complementa.