Vacinação e tratamento de doenças infeciosas marcam último dia de Simpósio de Dermatologia Tropical

41ª edição do Simpósio sobre Dermatologia Tropical, o DERMATROP, encerrou no sábado (01/06)

Foram três dias de debates e aprendizado sobre doenças atuais e que são historicamente ligadas a característica geográfica do Brasil, um país tropical. O evento superou todas as expectativas da Sociedade Brasileira de Dermatologia

– Tivemos números surpreendentes com a presenças de mais de duzentos médicos participando de diversas partes do país e muito nos orgulhou termos sido escolhidos para sediar este encontro – declarou o secretário geral da SBD-RS e coordenador local do 41º Curso Nacional de Dermatologia Tropical, o dermatologista Dr. André Costa Beber.

O Dr. André Vicente Esteves de Carvalho, falou sobre o manejo de dermatoses infeciosas no tratamento com medicações imunobiológicas. Após, Renan Rangel Bonamigo discorreu sobre as vacinas, quais e quando recomendar em pacientes utilizando tratamento imunossupressor ou imunobiológico.

– Para pacientes que usam imunosupressores e imunobiológicos, temos que utilizar vacinas que possam protegê-los, mas é fundamental pensar no momento em que a vacina é aplicada. As vacinas inativadas são seguras do ponto de vista de induzir alguma infecção no paciente. Todas existentes no calendário (para este grupo, as principais vacinas são: pneumococo influenza e hepatite B) podem ser utilizadas normalmente nestes pacientes. Durante o uso, eventualmente, alguns medicamentos podem diminuir a sua eficácia porque o medicamento vai bloquear a formação de anticorpos contra a vacina. Então, por isso, o ideal é que seja feita antes – explicou.

Segundo o médico, no caso de vacinas com vírus e bactérias atenuados, há um risco um pouco maior delas causarem algum tipo de efeito adverso. Eventualmente, formas brandas da infecção. Como o paciente é imunodeprimido pelas medicações, é preciso ter mais cuidado. Se eles já estão em uso do medicamento, recomenda-se uma pausa temporária para vacinação e depois é retomada a medicação. As vacinas mais importantes neste grupo são Herpes Zoster, varicela e tríplice viral. A febre amarela é indicada só em casos muito especiais.

O médico boliviano Dr. Martin Sangueza, convidado internacional, da Bolívia, discorreu sobre a histopatologia e dermatologia tropical.

A programação durante a manhã contou com apresentação dos médicos dermatologistas Dra. Francisca Regina Oliveira Carneiro (PA), Dr. Arival Cardoso de Brito (PA), Dra. Regina Casz Schechtman (RJ), e Dr. Paulo Roberto Lima Machado (BA). As aulas abordaram novidades na área da micogia e a leishmaniose tegumentar americana (LTA). O segundo módulo foi dedicado a dermatozoonoses e vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV), um vírus causador de infecções com potenciais manifestações cutâneas.

Porto Alegre foi escolhida pela primeira vez para sediar o encontro organizado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e com apoio da SBD-RS e Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS). As atividades foram realizadas no Hotel Deville Prime, em Porto Alegre (RS).

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Sobre a SBD/RS

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) é a única instituição reconhecida oficialmente pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB) como representante dos dermatologistas no Brasil. Os médicos dermatologistas a ela ligados precisam obter o Título de Especialista que atesta a sua capacitação.

 

A secção SBD-RS é a sua representante no território do Rio Grande do Sul.

Publicações recentes

Conecte-se