O que é e como funciona o transplante capilar? – Dra. Mariana Scribel

Transplante capilar é o termo utilizado para a transferência de unidades foliculares (que contém de 1 a 4 fios cada) da área doadora para a área calva.

Nesse procedimento, retira-se os folículos capilares sadios (que estão na parte de trás da cabeça) e os implanta para região que está calva. Dessa forma, podem ser transplantadas até 3.000 unidades foliculares, gerando uma aparência natural e livre de cicatrizes aparentes. Esse procedimento é considerado a única solução definitiva para a calvície.

Existem dois tipos de métodos para a extração das unidades foliculares: a técnica convencional,chamada de FUT ( transplante de unidades foliculares) , que é a retirada de uma faixa de cabelos da parte de trás da cabeça, e a técnica FUE (extração de unidades foliculares uma a uma), onde se utiliza um micropunch, aparelho que faz uma microperfuração de 0.8mm de diâmetro para a retirada de cada foliculo. A única diferença entre as técnicas, é a maneira que são retiradas as unidades foliculares. A maneira como se faz a implantação dos foliculos na área calva não difere entre as técnicas cirúrgicas.

O resultado cirúrgico é extremamente natural tanto para homens quanto para mulheres calvas. O grande medo de quem procura cirurgia de transplante capilar é a aparência artificial que ocorria após as cirurgias realizadas há alguns anos atrás. Atualmente, a naturalidade vem sendo desenvolvida ao longo de anos de experiência e no desenvolvimento de novas técnicas.

O diferencial para alcançar um resultado natural envolve: a preparação minuciosa dos foliculos, feitos através de microscópios; as incisões na área calva, feitas com microlâminas e seguindo o ângulo e direção dos fios naturais; uma densidade de foliculos suficiente para cobrir a área do couro cabeludo que foi implantada; além de uma equipe de até 9 pessoas preparadas para fazer a cirurgia numa duração de até 8 horas.

Com esses cuidados, o resultado cirúrgico é tão natural, que nem o paciente consegue discernir os fios transplantados com os fios previamente existentes.

Autora: Dra. Mariana Scribel, dermatologista SBD-RS

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se