Entendendo a Harmonização Facial

Palavra do Dermato: Dra. Fernanda Magagnin Freitag

Primeiramente, realiza-se uma avaliação minuciosa do rosto, observando as alterações da face relacionadas à idade. Também são reconhecidos e pontuados alguns detalhes que, quando melhorados, aumentam a percepção de beleza.

Cada alteração diagnosticada determinará um tratamento específico. Por exemplo, rugas dinâmicas na testa e pés de galinha serão tratados com toxina botulínica. Olheiras profundas e perda das maçãs do rosto serão tratadas com preenchimento de ácido hialurônico. E assim por diante. Faz-se primeiro o diagnóstico e depois um plano de tratamento, que envolverá todas as alterações trazidas pelo envelhecimento. Portanto, para “harmonizar” um rosto, será necessário um conjunto de procedimentos estéticos, realizado num curto período de tempo e capaz de contemplar todas as mudanças sofridas pela idade.

Pacientes jovens também podem realizar “harmonização facial”. Nesses casos, não há perdas a serem corrigidas, apenas alguns detalhes a serem embelezados. Por exemplo, uma moça com queixo “para dentro” pode ter seu perfil harmonizado através da projeção do queixo com ácido hialurônico. Um jovem rapaz de rosto oval, através de preenchimento com ácido hialurônico nas suas mandíbulas, pode ganhar uma face mais masculina. Lábios muito finos e desproporcionais também podem ser embelezados.

Assim, o número de procedimentos e a quantidade de seringas, unidades e frascos, vai depender da idade e do grau de envelhecimento. Podem ser necessárias apenas algumas unidades de toxina para elevar a cauda da sobrancelha numa paciente jovem ou somente
uma seringa de ácido hialurônico nas olheiras ou lábios. Mas também podem ser necessárias algumas (muitas) seringas de ácido hialurônico em rostos com perdas substanciais.

Quando um Dermatologista realiza uma Harmonização Facial, ele está atento a dermatoses e doenças sistêmicas que possam contraindicar o procedimento. Também está capacitado a reconhecer lesões muito pequenas de Câncer de Pele, muitas nem percebidas pelo paciente. Pela sua extensa formação médica, sabe avaliar os medicamentos em uso e sua possível interação com os produtos injetáveis. Por fim, conseguirá manejar de forma adequada qualquer intercorrência, o que traz segurança ao paciente.

Autora: Dra. Fernanda Magagnin Freitag

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se