PALAVRA DO DERMATO – Problemas de Pele Comuns nos Neonatos

O período neonatal compreende os primeiros 28 dias de vida do bebê. É um período de adaptação do ambiente intra-uterino (líquido, estéril e sem oscilação térmica) para o extra-uterino (aéreo, rodeado por micro-organismos e com oscilação da temperatura). A pele do recém-nascido (RN), por ser delicada e frágil, é muito susceptível a essas alterações. Cerca de 96% dos RN apresentam algum achado dermatológico, que muitas vezes são normais para o período neonatal; como o lanugo (pelo fino que cobre a pele de cerca de 40% dos bebês, mais comum em pré-termos) e as marcas de nascimento (melanocitose dérmica: mancha acinzentada vista em 25% dos RN e a mancha salmão: mancha rosa entre os olhos, na testa ou na nuca).

A descamação cutânea ocorre principalmente entre o sexto e sétimo dia de vida devido a adaptação da pele do meio líquido intra-uterino para o meio aéreo extra-uterino. Pode ser intensa em alguns casos, mas corresponde a um processo fisiológico e de resolução espontânea.

A hiperplasia de glândulas sebáceas são bolinhas amareladas observadas principalmente nas bochechas e dorso nasal, observadas em 35% dos RN. Ocorre em resposta ao estímulo hormonal materno e desparecem nos primeiros 3 meses de vida.

Assadura: dermatite da área das fraldas mais comum no período neonatal acometendo 50% dos bebês, pode causar desconforto para a criança. O uso da fralda ocasiona aumento da temperatura e da umidade locais, com consequente maceração da pele que se torna mais susceptível a irritação ocasionada pelo contato prolongado da urina e das fezes. Além disso, o atrito excessivo, o uso de pós, óleos, sabões e pomadas irritantes pode piorar o quadro. A melhor conduta é a prevenção, com um conjunto de medidas tentando manter a área das fraldas seca, reduzir o contato da urina e fezes com a pele, evitar irritação e maceração.

Brotoeja ou miliária: é comum em neonatos, sendo mais observada nos meses de verão, períodos febris ou em RN com excesso de vestimentas. São pequenas vesículas sobre a pele, principalmente na face, pescoço e tronco. O tratamento visa reduzir a temperatura do ambiente e com isso a transpiração do RN.

Autora: Dra. Flávia Pereira Reginatto – Dermatologista SBD-RS

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se