Meu filho está com piolho, e agora?

Comum no volta às aulas em crianças pequenas, a pediculose, doença parasitária causada por piolhos, toma importância e preocupa os responsáveis pela saúde da criança.

Caracterizada pela coceira intensa no couro cabeludo, principalmente na região da nuca e atrás da orelha, a pediculose é confirmada pela visualização das lêndeas ou do piolho. Os piolhos são seres que se alimentam do sangue do couro cabeludo, vivendo e se reproduzindo na superfície da pele e pelos dessa região. As lêndeas, pontos brancos próximos da raiz dos fios dos cabelos, são os ovos postos pelas fêmeas. Os piolhos dificilmente são encontrados, pois ficam caminhando pelo couro cabeludo. As lêndeas podem ser confundidas com caspa, mas esta fica solta entre os fios, já as lêndeas, podem ser deslocadas ao longo dos fios.

Papais e mamães, não se preocupem: os piolhos não voam, nem pulam de cabeça em cabeça. A transmissão ocorre por contato direto, por isso, situações de aglomeração infantil, como escolas e creches facilitam o contágio. Objetos contaminados, como bonés, tiaras, toalhas ou roupas de cama podem ser fontes de contágio indireto.

Reconhecer precocemente a pediculose é essencial. Além do incomodo e arranhaduras gerados pela coçadura constante, a infestação pode diminuir o desempenho escolar da criança por dificultar a concentração e levar a distúrbios do sono.

É importante destacar que não existe um produto preventivo, nem repelente para piolhos. O vinagre, comumente usado, não mata o parasita nem seus ovos, mas facilita na remoção das lêndeas ao passar o pente fino. Cortes de cabelo mais curto também não impedem a infecção, apenas tornam mais fácil a retirada das lêndeas e a procura do piolho.

Várias medidas consistem no tratamento da pediculose. Além do tratamento tópico, na maioria das vezes a base de permetrina, recomenda-se passar pente fino para remoção das lêndeas.

Aconselha-se lavar em água quente roupas e utensílios pessoais usados nas últimas 48 horas, e se possível, também secá-los com calor. Manter escovas de cabelos submersas em água por 10 minutos parece ser suficiente para matar os piolhos ali presentes.

Outro ponto importante é que não é necessário o afastamento das atividades escolares. O retorno escolar está permitido assim que o tratamento seja realizado.

Sempre que possível procure um profissional de saúde capacitado para prescrever o melhor tratamento e orientações necessárias.

 

Autor(a): Dra. Rafaela Bressan Werle

– Dermatologista. CRM 41508

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se