PALAVRA DO DERMATO – Tumores Cutâneos

O câncer da pele é definido pelo crescimento anormal e descontrolado de células que compõem a pele. Dividem-se em câncer da pele melanoma e câncer da pele não melanoma. Os principais fatores de risco são: pessoas de pele e olhos claros, exposição solar, uso de medicação imunossupressora, história pessoal ou familiar de câncer da pele. O diagnóstico é feito através do exame da pele pelo especialista, dermatoscopia e biópsia. Cirurgia geralmente é o tratamento de escolha, mas outras modalidades terapêuticas podem ser indicadas de acordo com as características do tumor. No geral, são tumores curáveis se diagnosticados precocemente e tratados de forma adequada. Uma vez diagnosticado, deve-se fazer acompanhamento médico periódico e regular.

Câncer da pele melanoma
– Tem origem nos melanócitos.
– Representa menos de 3% dos cânceres da pele.
– É o mais agressivo pela alta possibilidade de metástase.
– Acomete principalmente pele, boca, olhos e unhas.
– Na pele, caracteriza-se por pintas marrom a negra que mudam de cor, tamanho e textura e crescem de forma irregular. Suspeita-se nas pintas assimétricas, com bordos irregulares, de diversas cores, maiores do que 6 mm e que estão crescendo (regra do ABCDE).
– Nas unhas, manifesta-se por mancha linear escura. Suspeita-se nas faixas pigmentadas que acometem apenas um dedo (polegar), maiores que 3 mm, com cores de marrom a preta, podendo causar deformidade da unha, principalmente se ocorrerem em maiores de 50 anos, em descendentes africanos ou asiáticos, com história familiar de melanoma (regra ABCDEF).

Câncer da pele não melanoma

– É o mais comum no Brasil e representa 30% dos tumores malignos registrados no país.
– Carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular são os mais frequentes.

Carcinoma Basocelular

– Manifesta-se como lesão elevada, perolada, avermelhada ou acastanhada, podendo apresentar crosta, sangrar aos mínimos traumas e não cicatriza.
– Menos agressivo, porque raramente espalha-se para outros órgãos, mas pode causar dano devido a crescimento e destruição local.

Carcinoma Espinocelular

– Manifesta-se como mancha avermelhada irregular e descamativa que cresce, tornando-se elevada e formando ferida que não cicatriza.
– Pode aparecer sobre cicatriz e queimadura.
– Pode espalhar para linfonodos e órgãos internos.

Autora: Dra. Camila Ferron – Dermatologista SBD-RS

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se