Unhas frágeis – Dra. Rafaela Bressan Werle

Vamos falar sobre unhas? As unhas fracas acometem até 20% da população, principalmente mulheres. Junto com a onicomicose, são os distúrbios ungueais mais vistos pelo dermatologista. A placa ungueal é composta basicamente por queratina e reflete um equilíbrio de força e flexibilidade. Quando esse equilíbrio se rompe, a consistência da unha se altera, levando à fragilidade. Para a maioria dos pacientes, o incômodo é estético, mas pode haver dor e dificuldade para as atividades diárias. Clinicamente, a síndrome das unhas frágeis engloba unhas friáveis, quebradiças, com onicosquizia (descamação em camadas) e onicorrexe (fragmentação triangular da borda livre).

A unha é vulnerável aos insultos diários. A exposição a agentes químicos como detergentes, solventes, fungos e traumas repetitivos como digitação podem interferir na adesão das células da lâmina ungueal.  Outra causa comum é o uso abusivo de removedores de esmalte a base de acetona, que ressecam as unhas. As pessoas que realizam tarefas domésticas com água quente e sabões são as mais suscetíveis, e mostram acometimento principalmente dos três primeiros dedos da mão domintante.  Todos esses fatores atuam de maneira cumulativa, e acarretam mais alterações quanto maior for a exposição ao longo do tempo.

Alterações sistêmicas também refletem na saúde das unhas. A falta de ferro pode resultar em amolecimento da unha e coiloníquia (unhas em forma de colher). Por outro lado, o enxofre está relacionado à dureza da unha, e não o cálcio, como se pensava. Já condições que reduzam a circulação local ou gerem muito estresse ao organismo, por exemplo, eczemas e psoríase nos dedos, endocrinopatias, deficiências de vitaminas como zinco, alopécia areata e infecções generalizadas, podem levar à redução ou parada momentânea do crescimento da unha.  O crescimento da unha é lento e requer, em média, de 5 a 6 meses para se regenerar. Nos idosos, esse processo fica ainda mais lentificado. Dessa forma, tratamentos que aumentam a taxa de crescimento das unhas, como a biotina, parecem ter efeito positivo no tratamento de unhas quebradiças.

Antes de iniciar tratamento, procure seu dermatologista. Ele se assegurará de que não seja infecção por fungos ou outras doenças específicas das unhas. O tratamento das unhas frágeis baseia-se em evitar umidade e trauma, além do uso de luvas para realização das tarefas domésticas. Seu dermatologista poderá lhe prescrever uso de hidratantes específicos, a base de óleos, para contribuir com o fortalecimento ungueal ou ainda propor tratamento oral de acordo com suas necessidades.

Autora: Dra. Rafaela Bressan Werle

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se