Vitiligo: uma doença crônica imprevisível

Vitiligo

O vitiligo é uma doença crônica adquirida com evolução clinica imprevisível, caracterizada pelo surgimento de manchas acrômicas (brancas) ou hipocrômicas (mais claras) na pele em decorrência do desaparecimento das células de pigmento (melanócitos) na pele afetada. Afeta todas as raças e gêneros igualmente, e atinge cerca de 1% da população mundial. As causas são complexas e fatores autoimunes parecem ter papel importante, acreditando-se que também apresente relação genética.

O vitiligo pode se associar com outras doenças autoimunes como diabetes, doenças da tireoide e alopecia areata, por isso é importante consultar seu Dermatologista para avaliar a necessidade de exames laboratoriais. Estresse emocional e traumatismos na pele podem ter relação com o surgimento ou piora de lesões.

A doença pode afetar qualquer área do corpo, mas é mais comum em áreas de atrito como axilas, virilha, genitais, dorso das mão e pés, cotovelos, joelhos e tornozelos. A face também costuma ser afetada, principalmente ao redor dos olhos e boca. Não é contagioso e afeta apenas a pele das pessoas com a doença. Nas áreas de vitiligo, os cuidados com o sol devem ser redobrados pela maior chance de queimaduras solares.

O diagnóstico é clínico, podendo a biópsia de pele ser necessária no caso de dúvidas. O exame com lâmpada de Wood pode auxiliar seu Dermatologista a firmar o diagnóstico.

O tratamento leva em consideração extensão da doença, sua estabilidade e localização. Na doença ativa e progressiva, medicações tópicas ou por via oral podem ser necessárias. Na doença estável, podemos utilizar medicações tópicas e até mesmo o uso da fototerapia. Há também opções cirúrgicas para lesões que não respondem às medicações, como enxertos de pele e transplante de melanócitos.

A doença apresenta resultados variados com os tratamentos, dependendo da resposta de cada pessoa. Suplementações podem ser necessárias de acordo com deficiências individuais. A despigmentação da pele normal pode ser uma opção quando grandes áreas são afetadas pelo vitiligo e há incomodo muito importante pela parte do paciente.

Consulte sempre seu Dermatologista e saibamos exaltar as diferenças.

Autor(a): Dra. Ana Cláudia Dal Magro – Dermatologista. CRM 42414

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se