Janeiro Roxo: Campanha de conscientização sobre a Hanseníase

Hanseníase, antigamente conhecida como lepra, é uma doença infectocontagiosa transmitida por um bacilo (um tipo de bactéria) conhecido por Micobacterium leprae. Ao contrário do que muitos acreditam, a doença não foi erradicada, prova disso é que o Brasil é o 2º país com maior número de casos da doença no mundo, ficando atrás somente da Índia.

A transmissão do bacilo se dá, principalmente, pelo contato interpessoal, através de gotículas respiratórias eliminadas por pessoas contaminadas. Entretanto, para que ocorra a transmissão da hanseníase, é necessário um contato prolongado com o doente, geralmente meses ou até anos, sendo mais frequente entre os moradores de uma mesma casa. Além disso, já se sabe que 95% das pessoas tem imunidade natural contra a doença e jamais irão adoecer.

O bacilo da hanseníase “ataca”, preferencialmente, a pele e os nervos periféricos dos doentes, de forma lenta e progressiva, podendo causar deformidades e incapacidades, por vezes, irreversíveis, principalmente nas mãos, pés e olhos. Essas incapacidades podem causar consequências ainda piores nas vidas dos pacientes, como discriminação e o consequente isolamento social.
Geralmente, o sintoma inicial da doença é uma ou poucas manchas com cor mais clara que a pele ou ligeiramente avermelhadas, com perda de sensibilidade, principalmente, térmica, ou seja, se colocarmos gelo no local da mancha, não é percebida a sensação de frio. Com a evolução da doença, muitas outras lesões na pele podem surgir como múltiplas manchas com perda de sensibilidade e “caroços” pelo corpo e na face. Não é incomum nesta fase, os pacientes apresentarem queimaduras nas mãos ao cozinharem e alegarem que não haviam percebido o ocorrido. Da mesma forma, eles deixam cair no chão com mais frequência utensílios domésticos, como panelas e copos.

O diagnóstico da hanseníase é basicamente clínico, mas podem ser necessários exames complementares.

O tratamento da hanseníase é realizado com o uso de antibióticos por 6 a 12 meses, dependendo de cada caso. O tratamento é curativo e as deformidades e incapacidades graves relacionadas à doença são evitadas se a mesma for tratada nos estágios iniciais. Já nos primeiros dias de tratamento o paciente deixa de transmitir a doença.

Todo o tratamento da hanseníase é fornecido gratuitamente pelo SUS.

 

Autor(a): Dr. Rodrigo Vettorato | CRM 29106

A SBD-RS não se responsabiliza pelo conteúdo dos artigos apresentados na Palavra do Dermato. O artigo apresentado acima é de total responsabilidade do autor.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Conecte-se

Este site utiliza cookies

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades de redes sociais e analisar o nosso tráfego. Se de acordo, clique em ACEITAR ao lado.